Anteprojeto de Proteção de Dados e vídeos do Seminário de Proteção à Privacidade e Proteção de Dados

27/10/2015

Na semana que passou (20/10), o Ministério da Justiça, por meio da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), apresentou a nova versão do Anteprojeto de Lei durante o seminário internacional ‘Anteprojeto Brasileiro de Proteção de Dados Pessoais em Perspectiva Comparada’.

O Anteprojeto de Lei de Proteção de Dados Pessoais (clique para acessar a versão atual) foi elaborado pela Senacon, em conjunto com a Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, após a realização de dois debates públicos, via Internet. O primeiro debate público na Internet foi em 2010 e o segundo ocorreu no primeiro semestre de 2015. Depois de mais de 2000 contribuições dos setores público e privado, academia e organizações não-governamentais, a nova versão foi disponibilizada, tendo também recebido contribuições advindas das inúmeras reuniões técnicas, seminários e discussões, por diversos órgãos e entidades, realizadas nos últimos cinco anos.

Para a análise das contribuições do debate público de 2015, a Senacon contou com o apoio do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Aliás, durante a 6ª edição do Seminário de Proteção à Privacidade e aos Dados Pessoais, promovida pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), houve debate sobre o tema.

Esse evento aconteceu nos dias 15 e 16 de setembro de 2015 em São Paulo, tendo sido voltado a profissionais da área jurídica e da comunidade técnica, além dos interessados em discutir o tema. Os debates se deram sobre as questões conceituais envolvendo dados pessoais e sensíveis, a relação entre Internet das Coisas (IoT) e privacidade, e o uso de criptografia como mecanismo de segurança para proteção de dados.

Confira os vídeos em:

Equipe Direito & TI

Comentários

Veja também:

Facebook é condenado a indenizar usuário avaliado no APP “Lulu”
Operadora de telefonia terá de pagar horas de sobreaviso para consultora
Turma do STJ diz que toda informação em site da Justiça tem valor oficial
Conforme decisão, Microsoft não é responsável por conteúdo de e-mails transmitidos por seus usuários

2015 - Todos os direitos Reservados