Conforme decisão do TSE, Google desobedeceu justiça brasileira

06/04/2013
São Paulo – O Tribunal Superior Eleitoral confirmou decisão já proferida em instância anterior que considera o Google culpado por desobedecer uma ordem judicial durante a campanha eleitoral de 2012.
No período, o candidato do PSDB à prefeitura de Campina Grande, na Paraíba, pediu à Justiça que o Google tirasse do YouTube um vídeo em que opositores o ofendiam. Na ocasião, o Google demorou a agir, o que irritou o candidato Romero Rodrigues, que acabou eleito prefeito da cidade.
A Justiça eleitoral interpretou que o Google agiu em desobediência ao poder Judiciário e, na época das eleições, chegou a determinar a prisão de Edmundo Luiz Pinto Balthazar, executivo da empresa de buscas. A prisão, no entanto, não foi concretizada e o Google removeu o vídeo polêmico do YouTube.
Agora, ao analisar o caso, o TSE entendeu que o Google tem o direito de defender a liberdade de expressão, no entanto, a empresa não poderia ter se recusado a cumprir uma determinação judicial. O Google, por sua vez, nega qualquer ato de desobediência.
Por meio de sua assessoria de comunicação, o Google afirmou que “a decisão decorre de um julgamento técnico de um dos recursos usados pelo Google para demonstrar que não houve qualquer desobediência por seus executivos. A ordem judicial de remoção do conteúdo já havia sido cumprida. O Google continuará utilizando todos os meios legais cabíveis para demonstrar que não há motivos para persecução criminal”.
O caso pode terminar em punição para o Google e até prisão para Balthazar. Na ocasião, no entanto, boa parte da opinião pública manifestou-se favoravelmente ao Google, alegando que o candidato tucano pressionou o Judiciário para censurar seus opositores na internet.
Fonte: INFO

Comentários

Veja também:

STF considera inviável Habeas Corpus para acusada de crimes pela Internet
Inscrições para Especialização em Direito Eletrônico no RS
STF cassa decisão que determinou retirada de notícia de site
Ação Direta de Inconstitucionalidade é proposta em face de Lei paulista sobre promoções de operadoras de celular

2015 - Todos os direitos Reservados