Operadora de telefonia terá de pagar horas de sobreaviso para consultora

15/10/2015
Por Lourdes Côrtes/RR
A X* (operadora de telefonia) terá de pagar a uma consultora horas extras em regime de sobreaviso por chamadas recebidas no período de descanso da trabalhadora. A Primeira Turma do TST manteve decisão do Tribunal Regional do trabalho da 9ª Região (PR), que entendeu demonstrada a submissão dela, ainda que à distância, a controle da empresa.
Na reclamação trabalhista, a consultora disse que atendia a clientes da operadora de telefonai depois do expediente, com celular fornecido pela empresa. “Os clientes recebiam nossos cartões de visita e deveríamos estar disponíveis para solucionar problemas mesmo após o horário contratual”, conta.
A companhia contestou alegando que a consultora não estava sujeita ao regime de sobreaviso, e para aqueles sujeitos tal jornada não é considerada como extraordinária. Também o fato de oferecer celular para os empregados não caracterizaria, para a operadora de telefonia, a disposição do trabalhador 24 horas por dia.
Segundo a decisão do regional, a consultora estava sujeita a horas extras em regime de sobreaviso, pois estava à disposição do empregador na espera de contato por meio de telefone celular. O TRT determinou o pagamento das horas de sobreaviso a razão de 40% em dias normais e de forma dobrada quando prestadas em sábados, domingos e feriados.
No recurso ao TST a OI insistiu na tese de nada ser devido à consultora sobre horas de sobreaviso, pois o simples uso do aparelho celular não permite concluir que tinha sua liberdade de locomoção restringida.

Mas o relator, desembargador convocado Marcelo Lamego Pertence, não conheceu do recurso, pois a prova documental ratificou as informações da testemunha de os consultores serem acionados a qualquer momento. Pertence também ressaltou o fato de haver documento da empresa a explicitar a determinação de os aparelhos telefônicos ficarem ligados “diuturnamente”. Para o relator, o posicionamento adotado pelo regional está de acordo com o entendimento da Orientação Jurisprudencial nº 49 da SBDI-I.

Em 2013, o TST  reviu jurisprudência sobre regime de sobreaviso com uso de celular. A decisão foi por maioria, vencido o ministro Walmir Oliveira da Costa.

Processo: RR-3768600-22.2009.5.09.0088 e Acórdão.

Fonte: TST.

Comentários

Veja também:

Da governação global da Sociedade em Rede – Princípios estruturais
Os Crimes contra Sistemas Informáticos e Redes Abertas
Justiça Federal é competente para julgar crime de publicação online de conteúdo pornográfico infantil
Xingamento por e-mail gera indenização por danos morais

2015 - Todos os direitos Reservados